Criadores do cavalo Mangalarga Machador participaram da 2ª Exposição Especializada realizada na Cidade de Pirenópolis – GO. O evento reuniu inúmeros criadores, colaboradores, fornecedores e admiradores da raça, durante o período de 08/10 a 13/10/19, que aproveitaram para conhecer e curtir os encantos de Pirenópolis. Mais de cem animais da raça participaram das provas.

O evento foi realizado pelo Núcleo dos Criadores do Cavalo Mangalarga Machador de Goiás, que contou com o apoio do empreendimento Quinta Santa Bárbara Eco Resort. Dos animais, trinta são dos haras da cidade, que possuem forte tradição na cultura equestre. Com a realização dessa segunda exposição o evento fica consolidado no calendário do município e atrairá cada vez mais visitantes para a cidade nos próximos anos. Celas, estribos, arreios entre outros produtos afins ao ambiente rural, também compõem o cenário e são comercializados por empresas participantes, que contribuem para que o evento continue crescendo.

Essa história do Mangalarga Marchador, seus criadores e a cidade de Pirenópolis começou em 2006, quando a Associação Nacional do seguimento realizou a primeira Copa de Marcha da raça, que aconteceu em apenas um dia de evento. Hoje a exposição ocorre de terça a domingo, com seis dias de muitas atividades. E a participação, em caso de premiação, vale vaga para a exposição Nacional,realizada no mês de julho de cada ano calendário.

Nos registros da história sobre o Mangalarga Machador, a informação é de que se trata de uma raça tipicamente brasileira, iniciada numa fazenda em Campo Alegre, no sul de minas. A fazenda pertencia a Gabriel Francisco Junqueira, que era conhecido pelo título de Barão de Alfenas. Diz a história que o Barão foi o primeiro a realizar o cruzamento dos cavalos da raça Alter – trazidos da Coudelaria de Alter do Chão, em Portugal – com outros cavalos selecionados pelos criadores daquela região mineira.

A base de formação dos cavalos Alter é a raça espanhola Andaluza, cuja origem étnica vem de cavalos nativos da Península Ibérica, germânicos e berberes. Os cruzamentos dessas raças deram origem a animais de porte elegante, beleza plástica, temperamento dócil e próprios para a montaria.
Os primeiros exemplares da raça Alter chegaram ao Brasil em 1808, com D. João VI, que se transferiu para a Colônia com a família real. Os cavalos dessa raça eram muito valorizados em Portugal e a família real investia em coudelarias (haras) para o aprimoramento da raça. A Coudelaria de Alter foi criada em 1748 por D. João V e viveu momentos de glória durante o século XVIII, formando animais bastante procurados por príncipes e nobres europeus para as atividades de lazer e serviço.

Assim como os motociclistas não gostam de serem chamados de motoqueiros os criadores do Mangalarga Marchador torcem o nariz quando alguém se refere ao equino apenas pelo nome Mangalarga, O nome da raça tem que vir composto do nome Marchador. Os criadores dizem que Mangalarga sem o nome Marchador é referencia à raça paulista, que carrega sangue de animal inglês (mais nervoso) e não a mineira, com característica mais dócil.

Para Marcelo Ferreira, que é proprietário dos Aras MKF, e um dos promotores do evento, a exposição é fomentadora de amizades e geradora de negócios, emprego e renda. “Acreditamos que produzimos mais do que a indústria de automóveis”, comenta Marcelo fazendo referência à quantidade de animais que são gerados todos os anos. Um equino da raça Mangalarga Marchador pode chegar a ser comercializado em leilão à cifra de 1 milhão de reais. Mesmo tendo animais tão caros em exposição o organizador comenta as dificuldades para produzir e realizar um evento como esse, que depende do apoio das prefeituras e dos patrocinadores. Nesse quesito Marcelo Ferreira aproveita para agradecer aos patrocinadores e, em especial, demonstra agradecimento ao apoio e patrocínio do empreendimento Quinta Santa Bárbara Eco Resort. Diz que sem o apoio do Quinta, seria muito difícil realizar a exposição.

O empresário Josemar Borges Jordão, que também é criador e um apaixonado pela raça Mangalarga Marchador, reafirmou o apoio do Quinta Santa Bárbara para as próximas edições do evento em Pirenópolis. “Nossa relação com Pirenópolis vai além da relação empresarial. É uma relação de amor. Ajudando eventos como esse, nós estamos contribuindo com o turismo local. Acaba sendo uma contribuição benéfica para todos e que gera muitos empregos em Pirenópolis”, conclui Josemar.

Deixe seu Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *