Circuito inaugurado na sexta-feira (20) começa em Corumbá de Goiás. Pirenópolis e oferece opções de pouso e alimentação

O Caminho de Cora, rota cicloturística inaugurada neste fim de semana, liga Corumbá de Goiás a cidade de Goiás em um percurso de 302 quilômetros e além de bicicleta, o trajeto pode ser feito a pé, a cavalo ou até de carro em alguns trechos. O passeio que percorre outros sete municípios tem em Pirenópolis uma boa sugestão para pouso e alimentação.

A charmosa cidade histórica, que está a 120 quilômetros de Goiânia, possui uma vocação turística consolidada e por isso proporciona aos seus visitantes uma infinidade de opções de hospedagem, como pousadas, hotéis e até hostels. Para repor as energias, a cidade conta em seu entorno com um enorme acervo natural, cujo o destaque para são as cachoeiras, a grande maioria é adaptada para receber turistas. Trilhas em meio à natureza também são atrações imperdíveis aos amantes dos esportes radicais. Pirenópolis também é conhecida por sua tradicional e ao mesmo tempo sofisticada gastronomia, que pode ser apreciada junto a uma grande rede de restaurantes, bares, lanchonetes e cafés.

As características de Pirenópolis são destacadas pela embaixadora do Caminho de Cora, a ciclista e participante das Olimpíadas do Rio, Raíza Goulão. “Pirenópolis tem tudo para receber esses turistas. É uma cidade que tem uma ampla estrutura de pousadas e hotéis acessíveis para todos os públicos. A cidade também tem restaurantes, cafés e pode ser um dos primeiros pontos de parada”, sugere.

Raíza conta que aprimorou suas habilidades no mountain bike morando em Pirenópolis, onde percorreu várias trilhas ecológicas em meio a vegetação do Cerrado. Para quem vai repousar ao fazer o Caminho de Cora, ela dá algumas dicas. “Vale muito a pena conhecer o Centro Histórico e também os restaurantes. Eu sugiro também passar nas lojinhas de artesanato, além de conhecer as igrejas históricas. E para o dia seguinte há a opção do café colonial na famosa Fazenda Babilônia”, lembra a atleta.

Fonte: Prefeitura de Pirenópolis

 

O Caminho de Cora busca resgatar a história do Ciclo do Ouro em Goiás, valorizando aspectos culturais e as riquezas naturais do Estado. Ainda estão no circuito as cidades de São Francisco de Goiás, Jaraguá, Itaguari, Cocalzinho, Itaberaí e Ouro Fino.

O projeto para a criação do Circuito Turístico é do Governo de Goiás, por meio da Agência Goiana de Turismo (Agetur), e oferece uma experiência de ecoturismo vivencial, demonstrando aspectos históricos, culturais, ecológicos e socioambientais da região. Pelo Caminho de Cora possível visitar ruínas de antigas lavras de ouro, bem como fazendas históricas. A Fazenda Babilônia, em Pirenópolis, está entre os pontos de visitação, onde o turista poderá conhecer mais do artesanato local, da história e da gastronomia goiana. A fazenda foi construída por escravos no século XVIII e possui um imenso acervo histórico, que inclui o próprio casarão da propriedade, edificado em estilo colonial.

Parques

A estrada também passa pelas proximidades dos Parques Estaduais dos Pirineus, Jaraguá e Serra Dourada. O Pico dos Pirineus, localizado no parque de mesmo nome, é um dos muitos locais que receberá um mirante para apreciação da vista.

À medida que a subida da Rodovia Parque dos Pirineus avança, o céu azulado traz uma paisagem paradisíaca. No alto, a vegetação se transforma e as nascentes se multiplicam. O Parque, inclusive, é o berço do Rio das Almas, manancial que passa dentro de Pirenópolis. Neste cenário, as Palipalantos – flor do Cerrado mais conhecida como chuveirinho – também atraem olhares dos turistas. A visita se completa ao avistar a Capelinha, dedicada à Santíssima Trindade. A vista esplêndida alcança 360º e é possível à sua altitude: 1.385 metros.

Sobre Pirenópolis

A tradição turística de Pirenópolis fez com que a cidade acumulasse museus e casarões que guardam a história de Goiás. Entre os pontos mais visitados estão a Igreja Matriz, os casarões mais antigos da Rua Direita, o Museu das Cavalhadas, a margem direita do Rio das Almas, Museu de Arte Sacra, a Praça do Coreto, Rua Aurora e Igreja do Bonfim. Nesses locais é possível ver elementos que compõem a história do Ciclo do Ouro.

Na estrada

Antes de pegar a estrada novamente, a dica é aproveitar a estrutura gastronômica local para recarregar as energias que serão muito exigidas dali em diante, onde o caminho terá uma elevação que alcançará os 1.158 metros de altitude.

Deixe seu Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *